Quando pensei em criar o blog, fiquei pensando sobre o nome que ele teria… pensei, pensei, conversei com com um, com outro… até que uma grande amiga me deu a ideia do “Psicologia Descomplicada” que eu simplesmente amei!

Depois da saga do nome, fiquei pensando sobre qual seria imagem…. aí foi mais um tempo pensando… tive várias ideias, mas nada que de fato passasse a mensagem de descomplicar que eu tinha em mente, que tem muito a ver com essa frase de Freud que eu gosto muito:

“Em última análise, é preciso amar para não adoecer” Freud

Quando penso nas complicações do dia a dia, dos problemas que enfrentamos e sobre quando ficamos perdido em um mar de situações, vejo que muitas vezes perdemos essa capacidade de amar, de se amar. Vejo que ficamos presos no meio de um emaranhado de pensamentos, sentimentos e situações onde mal conseguimos pensar, nos olhar e tentar nos compreender… Aí a angústia toma conta e não sabemos por onde sair. O que seria o lado direito da imagem.

Mas… a partir do momento que nos propomos a olhar para dentro, com um olhar de amor para nós mesmos… e nos sujeitamos a falar sobre isso – num processo de terapia seria perfeito! – vejo que através desse movimento conseguimos nos desvencilhar daquilo que nos prende e amarra e passamos a estar fora daquela problemática – por mais que os problemas continuem existindo!

A partir disso acredito que começamos um processo de nos ver livres de todo esse processo tão impeditivo de conseguir se ouvir, se ver, se respeitar e conseguimos então um processo de libertar-se. O que pra mim tem muito a ver com o coração batendo fora do emaranhado, do outro lado da imagem.

Bom, acho que pra explicação da imagem, acho que já falei demais, né?

Como você pode ver, o blog está só no começo, logo mais teremos muitos posts!

E você, o que achou? Deixe seu comentário!