Sofrendo em silêncio… encontrando novos caminhos

Sofrendo em silêncio… encontrando novos caminhos

“As grandes dores são mudas…” Khalil Gibran

Você que está sofrendo em silêncio, talvez acredite que não haja saída….
A vida é repleta de encruzilhadas e algumas parecem não nos levar a lugar algum…
Se você olhar para trás verá que percorreu muitos caminhos….
Alguns eram floridos, belos, claros e fáceis. Outros muito sujos, por demais espinhentos, dificeis, cansativos…
Alguns atalhos atrasaram sua vida; outros conduziram você até aqui.

Entretanto, até mesmo quando acreditamos que chegamos ao fim da linha e nenhum outro caminho se apresenta, ainda nos resta voltar atrás…
Voltando atrás muitas vezes a estrada já não nos parece mais a mesma, encontramos outros caminhos e caminheiros e já não nos sentimos tão sós…Pelo menos a gente já conhece a trilha e, às vezes, é preciso refazê-la.
Todo fim traz embutido em si mesmo um recomeço…

Se você acredita que está dando volta em círculos, busque tangentes, consulte outros viajantes, peça ajuda, olhe o seu “mapa” interior. Este último é seu melhor guia.
Nada, nem ninguém ajudará você em sua viagem se você não buscar conhecer onde quer ou precisa ir…

O caminho é seu, mas caminheiros somos todos nós.
Estradas diferentes, singulares, porém muito parecidas, com muitos pontos de encontro que se cruzam para nos desafiar, ensinar, mas também ajudar.
Também encontrará outras dores mudas, que poderão ser compartilhadas fazendo chorar, mas também aliviar. Se ninguém souber de sua dor, como poderá ajudá-lo a suavizá-la?

Caindo pelo caminho, lágrimas costumam lavar a alma, libertar, regar nosso solo para germinar novas sementes.
Talvez encontre alguns guias, que estavam ali todo tempo, mas nosso silêncio nos isolou e não pudemos vê-los.
Nem sempre é fácil aceitar, mas é muito bom receber ajuda! Em sua caminhada você também terá chance de colaborar. Outros também aprenderão com sua experiência. Afinal, os percalços da estrada são similares.

Somos todos inacabados, necessitados de instrução, formação e transformação. O que te leva a se martirizar tanto? Você está em crescimento, não em conclusão. É passível de erro e de acertos. Sente raiva; ama também.
Se sofre por outros, tente cooperar ao máximo, dar colo, mas não se esqueça que não poderá caminhar por eles.

Cada um escolhe o seu caminho, mesmo quando escolhe não caminhar…
Não é o fim da linha, mas sim o ponto de mutação. Permita-se mudar o roteiro e encontrar novas trajetórias.
Se se perder pela senda, busque sinais, reoriente-se.
Continue a caminhar… o porto seguro também é uma das estações.

Sandra Sales

By | 2018-05-16T04:41:35+00:00 maio 14th, 2018|Resiliência|0 Comments

About the Author:

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: