Hoje depois de alguns atendimentos e após uma reunião com duas colegas e amigas psicólogas fiquei pensando sobre como na sociedade em que vivemos somos continuamente bombardeados com ideais, pensamentos, conselhos e sugestões de como deveríamos viver nossas vidas e tomar nossas decisões.
*.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.
Às vezes essas falas podem vir diretamente quando pessoas nos interpelam com suas sugestões (algumas vezes até bem intencionadas) do que deveríamos fazer ou até mesmo de como deveríamos pensar e já outras vêem das nossas experiências passadas que ecoam dentro de nós trazendo ideais e pensamentos de tudo o que fomos aprendendo, vivenciando e internalizando ao longo da nossa vida.
*.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.
Seja no que diz respeito à nós mesmos, ou até mesmo nas situações que dizem respeito ao nosso relacionamento com o outro no sentido de como precisamos aprender a respeitar a individualidade alheia; precisamos de um trabalho contínuo de como desconstruir os preceitos que temos de certos e errados e passarmos a nos conhecer – ou colaborar para que o outro se conheça – no sentido de que nossas vozes mais íntimas possam ser ouvidas e nossas individualidades e subjetividades possam ter seus espaços merecidos, respeitados e até mesmo garantidos ao longo das nossas vidas.
*.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.*.**.*.
Isso tudo não quer dizer que não podemos ouvir o que os outros têm a nos dizer ou que devemos agir de forma impulsiva ao longo da vida. Mas, esse pensamento nos convida a nos conhecermos e nos escutarmos e então sairmos dos pensamentos que nos limitam a certos e errados e a padrões que devem ser seguidos, e assim passarmos a buscar aquilo que nos faz sentido e nos dá sentido ao longo da nossa caminhada!