Quem sofre de ansiedade, transtornos alimentares, se sente culpado por alguma razão ou até mesmo quem passa por uma situação delicada na vida já se viu em uma situação em que uma avalanche de pensamentos chegam e a sensação de perda de controle e uma vontade de fugir tomam conta… Felizmente é impossível fugirmos de nós mesmos, é impossível arrancarmos aquilo que nos assola do peito ou da mente e a maneira (muitas vezes nada fácil, mas ao mesmo tempo profunda, intensa e importante) é olharmos para aquilo que assusta e construirmos uma forma de fazermos as pazes com o que se passa dentro de nós.
*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*
Esses dias em alguns atendimentos me veio um exemplo a cabeça que acho que se aplica a esse tipo de situação: lembra quando assistíamos filmes em que uma criança estava deitada na cama e por uma sombra de alguma coisa na parede ela acabava vendo um imenso e assustador monstro? Porém, quando ela ou algum adulto chegava perto e descobria o que fazia a sombra era possível ver que o imenso e assustador monstro era na verdade nada mais, nada menos do que a sombra de algo não tão assustador assim?
*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*
Penso que nossas ansiedades podem ser vistas um pouco da mesma forma, ao criarmos coragem de nos aproximarmos, podemos ressignificá-las e ao entrarmos em contato com elas podemos transformá-las em pensamentos e sentimentos muito mais leves, em responsabilidades menos aterrorizantes e então convivermos com elas de uma forma muito mais leve e com certeza muito menos assustadora!
*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*.*
Aproxime-se de você mesmo e comece um caminho de permitir-se transformar os monstros que assombram “as paredes” da sua vida!